quarta-feira, 25 de junho de 2014

LENDA DA PRINCESA PERALTA


Em tempo que a História não conta, reinava na cidade de Colimbriga ou Conimbriga, perto de vila de Condeixa um rei chamado Arunce, os seus domínios eram vastos, ultrapassavam o castelo de Arunce (hoje Lousã). Tinha Arunce uma filha muito bela chamada Peralta. Vários cavaleiros de casa de Arunce interessavam-se pela princesa, mas esta olhava das torres do seu castelo o campo vasto de belos horizontes e ficava a cismar. Ela via e revia a figura esbelta de um cavaleiro alto, de peito largo, atlético, olhos brilhantes, olhar franco, voz profunda e meiga. Suspirava a princesa. Tudo isso, afinal, não passava de um sonho.
   Ora, certa vez em que a princesa na sua doce meditação, viu chegar, inesperadamente, um exército inimigo. A jovem ficou estática. Os guerreiros aproximavam-se com rapidez. O alarme foi dado pelos vigias.
    Procuraram a princesa. Ela continuava imóvel, olhando o comandante inimigo que se destacava à frente das suas tropas. Era um cavaleiro jovem, belo, decidido. O rei gritou-lhe:
     Minha filha! O inimigo desembarcou de numerosas naus ancoradas no porto e correu para aqui, onde nos está cercando!
     A princesa tinha o semblante triste, a voz dolorida.
    Nunca odiei tanto a guerra como neste momento!
  O rei tornou:
  Coragem! Eles começaram a atacar e já temos feridos e mortos.
Ela apenas respondeu com um suspiro. O rei irritou-se.
  Que serenidade a vossa minha filha! Quero acreditar que estais inconsciente! Padeceis de um mal que vos põe abstrata. Mal de que as vossas aias falam e de que a corte começou já a murmurar. Porém, este momento é grave. Eu sou o rei e vosso pai! Tendes de ouvir-me. O castelo que mandei construir na floresta (Lousã) e achastes medonho vai agora servir-nos!
  Sempre serena, a princesa ripostou:
   Ficaremos enterrados vivos! O castelo, situado num local distante da serra, é como se fosse uma ilha!
  Mas difícil de ser descoberto, e mais difícil ainda de ser conquistado.
   Pensais então que poderemos sair daqui?
   Tentaremos! Preparai as vossas coisas mais necessárias ou valiosas.
Logo que a noite chegue sairemos pela porta secreta. O vosso cavalo branco esperar-vos-á no átrio norte.
Nos seus aposentos, com as suas aias, a princesa esperava que viesse a ordem de partida. Falava baixo, compassadamente, sem medo.
 Nesse momento um homem estranho surgiu na entrada dos aposentos, avançou em direção à princesa.
   Senhor, que ousadia a vossa!
Ele teve um leve sorriso e declarou:
    Dizei às vossas damas, que venho como libertador e não como inimigo!
Vós o dizeis… Contudo, bem vos vi à frente do exército que invade os nossos domínios!
Serenamente, o cavaleiro replicou:
   Por comandar um dos troços desse exército pude chegar até aqui.
Também vos divisei numa janela da torre. E a curiosidade de vos ver de perto levou-me a cometer esta leviandade. Estou neste momento em perigo de vida!
  Como chegastes a este recanto do castelo?
Pondo fora de combate quantos, encontrei pelo caminho.
   Pois sabei que espero, o rei meu pai. Ele poderá entrar de um momento para o outro. Se o fizer. Um dos dois morrerá. E não desejo que seja ele!
  Juro-vos que a vosso pai nada acontecerá se isso depender de mim!
  Que quereis então?
  Avisar-vos que, antes do nascer do sol, o castelo será nosso. E não sei o que poderão fazer os outros chefes!
  Achais que isso está para breve?
  Dentro de meia hora faremos a ultima avançada. Tendes pois, de fugir!
  Calculastes, cavaleiro, que tentaríamos fugir e acertastes. Quereis, acaso, impedir a nossa viagem, mascarando-vos de protetor?
   Pela minha espada vos juro que vos quero salvar!
   E porquê, cavaleiro?
   Senhora, já perguntastes à rosa porque tem perfume? Quando vos vir a salvo e se ainda for essa a vossa vontade, vos direi porque arrisquei a vida para vos salvar!
   Juro-vos que pagarei com a vida este meu ato! Deixar-me-ei matar por vosso pai ou por algum dos vossos. Ficará assim atenuada a falta que cometo para com os meus homens.
    A vossa atitude é tão estranha…
    O dia virá em que podereis compreender-me.
    Como vos chamais?
    Laurus.
A princesa olhou-o profundamente e declarou:
    Laurus, não vos esquecerei. Confio em vós.
Quando o rei Arunce entrou e se viu em face de um desconhecido embrulhado num manto, ficou estupefacto. A princesa explicou-lhe a situação. O rei mostrou-se altivo:
    Retirai-vos! A vossa companhia não nos agrada!
Laurus respondeu com certa ironia:
   Se não vos avisasse, saberíeis que esta fuga era impossível
  O rei voltou a gritar:
    Retirai-vos já, ou tomar-vos-ei como inimigo que sois!
Sem dar tempo a qualquer luta, aprincesa interpôs-se entre eles.
    Meu pai basta de luta! Partamos, pois já oiço vozes bem perto!
   Laurus explicou:
   Foi dada a ordem de atacar. Não tardam aí os meus homens. Fujam! Eu os deterei!
  Todavia, o rei Arunce ordenou aos seus guardas. Isolem este homem enquanto nos retiramos! Não confio no inimigo.
  Envergonhada a princesa censurou:
  Meu pai, devemos-lhe a vida! Sei que não mente!
Mas o rei, ordenou:
   Vamos o tempo urge!
  A marcha foi penosa. A princesa voltara ao seu alheamento costumado.
  Passaram a ribeira. As suas vidas estavam a salvo, pelo menos nos dias mais próximos. Declarou o rei:
  Neste castelo isolado encontraremos abrigo seguro enquanto não arranjarmos reforços. A esta ribeira darei o meu nome. À terra que circunda este castelo darei o nome da minha filha Peralta.
   Dissestes à vossa guarda que viesse aqui procurar-nos?
   Disse.
   Tardam!

Pouco mais de um dia tinha passado quando uma das aias disse à princesa:
  Chegou a guarda real!
  Só?
  Sim. Senhora.
  Há feridos?
  Um apenas, e ligeiramente.
  O castelo que deixámos?
  Foi ocupado pelo inimigo.
  E o cavaleiro que nos salvou?
  Desse nada sei, Senhora!
   Pois ide dizer a meu pai que desejo falar-lhe. Mal avistou o rei, perguntou:
  Senhor, que novas nos dais do cavaleiro que nos ajudou na retirada?
  Acabo de saber pelos meus guardas que se deixou matar por nós. Dir-se-ia que não sabia combater!
  A princesa fez-se pálida. As lágrimas rolaram dos seus olhos. Cambaleou.
Aflito Arunce, perguntou:
    Filha! Porque vos desgostais tanto? Mal o conhecemos! A princesa murmurou:
   Morreu o meu cavaleiro!
   Entreolharam-se a aia e os dois guardas, sem crer no que ouviram; o chefe inimigo era o cavaleiro da princesa! Atormentado o rei deixou a filha chorar. Quando ela se levantou para se retirar perguntou com brandura:
   Dizei-me porque chorais assim um desconhecido?
   Achais que um desconhecido seria capaz de dar a vida por nós?
   Pois não era um desconhecido? Quem era então? Donde veio? Como o conhecíeis?
  O olhar da princesa, fitou o infinito e murmurou:
   Desde que me lembro que o via… hora a hora… a caminhar para mim… tal como apareceu, na verdade. Belo, valente! Deu a vida por nós… e eu daria a vida por ele… contudo nunca trocamos uma palavra de amor… nunca! Nos meus devaneios surgia… e fugia depois como fumo! Compreendo agora o significado. Nunca o teria perto de mim… só para mim!
   Filha delirais!
   Achais assim… porque sois incapaz de compreender-me! Laurus foi para vós apenas o inimigo. Para mim… continuará a ser o meu cavaleiro, o meu único amor!
   Não podereis compreender. Mesmo sem nos encontrarmos, há muito que nos pertencíamos! E sabíamos disso… sabíamos!... Por esse motivo, agora que ele morreu para o mundo, quero fazer-vos um pedido.
   É vosso desejo dar a esta ribeira o nome de Arunce em homenagem ao rei que habita este castelo. Pois peço-vos, Senhor, que se dê a esta terra, não o meu nome, mas o daquele que tornou possível a nossa estada neste lugar: o nome do meu cavaleiro!
  O rei não cabia em si de espanto.
  Pois quereis que se dê a esta terra…
A princesa não o deixou terminar.
Perdoai Senhor! Desejo que esta terra seja a terra de Laurus.
   Pois seja a terra de Laurus!
   A princesa sorriu pela homenagem prestada ao seu cavaleiro. Depois saiu silenciosa, sem pressa de chegar, como se a vida já não contasse para ela.

Arunce foi contemporâneo de Sertório que tinha a sua corte em Conimbriga. A ribeira que primeiramente tomou o nome de Arunce, chama-se agora Arouce. Com este nome existe, ainda uma povoação. Ou melhor essa povoação chama-se agora foz de Arouce. Pois é lá que desagua no rio Ceira o hoje rio Arouce.
     A História não fala de Laurus mas de um Lausus, que mais tarde deu o nome à vila de Lousana, e do qual também deriva, provavelmente, o nome da bonita vila da Lousã.
   Condeixa tem foral desde o reinado de D. Manuel I a 3 de Junho de 1514.
 Povoação muito antiga, na área da sua freguesia existem as ruínas da célebre cidade romana de Conimbriga. Antigamente Condeixa era porto de mar.

video

FONTE: Lendas de Portugal; Gentil Marques; volume V 1997
Junho de 2014
Carminda Neves

   

sexta-feira, 20 de junho de 2014

LENDA DO FREXO DE ESPADA À CINTA


video
Conta-se, que em tempos já distantes, nas eternas questiúnculas com seu filho o príncipe D. Afonso, EL- DE Portugal D. Dinis chegou um dia aquelas terras, então ainda praticamente desertas, que hoje fazem parte do distrito de Bragança, quase na raia de Espanha.
    Os correligionários do príncipe D. Afonso tinham cometido tropelias graves e D. Dinis viu-se obrigado a correr o Norte do reino, com os seus melhores cavaleiros, para castigar prevaricadores e salvar os inocentes.
   Por mais de uma vez a sua própria espada teve de salpicar-se de sangue e o rei de Portugal, gritava furioso e agastado:
    Filho indigno que não sabe respeitar o seu pai que tanto o ama!... Que deseja ele mais? Não lhe tenho dado honrarias e poderes? Umas vezes, por minha espontânea vontade… outras vezes, a pedido da Rainha? Ingrato D. Afonso antes eu não fosse vosso pai, e D. Diniz rematava febrilmente:
      Lá porque amo também outro filho, D. Afonso Sanches –e esse, sim, é bom e sabe respeitar-me – pensa o ingrato que há-de rebelar o reino contra mim e contra seu irmão.
    Depois, num gesto sem réplica, ordenava:
     Vamos! Acompanhai-me.
   Assim decorria a jornada por terras do Norte, entre rancores perseguições, inquietudes de alma e cansaços do corpo. Por tudo isso, talvez, ao passar junto de um grande freixo, plantado à beira do caminho e derramando em seu redor uma sombra de encantar, el- rei D. Dinis, segundo narra a velha lenda, sentiu-se desejoso de um merecido repouso.
    E não resistiu, a sua voz ergueu-se sobre os que o acompanhavam:
   Ide, cavaleiros… ide e montai mas além o nosso acampamento… Depois irei ao vosso encontro, pois agora quero ficar alguns momentos a descansar à sombra deste magnífico freixo.
Voltou o olhar em seu redor.
  E como é refrescante esta sombra, meu Deus!
   Sempre sorrindo, el-rei de Portugal confidenciava a si mesmo:
 Nunca me apeteceu tanto adormecer um pouco --- Libertar os meus pensamentos de inquietações… Lavar a alma neste sossego que me envolve…
  E assim falando, tal como conta a lenda, D. Dinis desembaraçou-se da sua pesada espada e do cinto que a sustentava, prendendo-o ao próprio tronco do freixo--- Encostou a cabeça ao freixo… e adormeceu.

  Foi então que tudo se passou conforme a lenda revela e tem passado de geração em geração…
   Sonhando el-rei viu de repente a aparição fantasmagórica de um velho de barbas brancas, que tinha à cintura a sua própria espada.
   Surpreendido, desconfiado, inquieto, o rei de Portugal perguntou:
   Mas… quem sois vós, ancião? Que desejais de mim?
Em voz irreal, que mais parecia eco de outra voz distante, o velho respondeu apenas:
    Sou o espírito vivo deste freixo, ao qual tu te encostaste… Aqui estou encantado para sempre, desde que morri… Tu hoje, porém, quebraste o encantamento e por isso aqui me vês…
  Novo espanto nasceu no rosto de D. Dinis:
   Quebrei-vos o encantamento? Mas… como, se nada fiz? Explicai-vos, por favor, bom velho!
Pois é bem fácil de explicar. Sempre que um rei de Portugal pendure a sua espada no meu tronco… eu poderei viver de novo durante alguns momentos!
   Houve um silêncio. Pequeno. Frágil. E el-rei D. Dinis insistiu:
   Mas… afinal quem sois? Ainda não me dissestes o vosso nome…
Sou um velho rei visigodo… Sim, rei como tu, Dinis! E como tu, também fui valente e temido. Conquistei terras e dominei povos… Um dia, porém, adormeci à sombra deste mesmo freixo a que tu te encostaste…E os inimigos surpreenderam-me assim… e mataram-me!
 Perante a reacção de D. Dinis. A voz numa risada disse:
   Mas tu não tenhas medo Dinis! A ti não te farão a mesma coisa… Estamos aqui apenas os dois… E eu vim para te aconselhar…
   Que sabeis vós da minha vida, bom velho rei?
   Sei tudo! Tudo, compreendes? Por exemplo eu sei que lá no teu intimo, tu queres fazer as pazes com teu filho Afonso.
   Descoberto no seu segredo, o rei de Portugal desabafou:
  Sim, mas ele é um ingrato!
Acalma-te! Vou ensinar-te como deves proceder… queres ajudar a tua felicidade.
   Nem sei como agradecer-vos… Não mais esquecerei este encontro!
   Escuta primeiramente um aviso que te quero dar: Tens tratado muito mal tua esposa, a Rainha Isabel!
D. Dinis reagiu:
Ela está sempre ao lado do filho… contra mim!
Enganas-te… Ela é mãe. Mãe verdadeira. Mãe amantíssima. E procede como tal!
Também a defendeis? Também sois contra mim? Porquê? Porque querem todos que eu seja afinal o culpado… se eu procedo conforme a justiça e a razão?
  Sim… em grande parte tu és o culpado de tudo, Dinis! Se desses mais ouvidos à Rainha tua esposa… se mais te guiasse pelos seus conselhos… talvez houvesse mais compreensão e menos guerra…
  Está bem! Passarei a dar mais atenção ao que diz a Rainha… Mas respondei-me velho rei: como hei-de conseguir a paz com meu filho Afonso? O vulto de grandes barbas brancas inclinou-se sobre ele e disse devagarinho:
   Escuta Dinis … escuta porque é segredo…
E conta a lenda que D. Dinis, logo de início, ao ouvir a primeira parte do segredo, ficou estarrecido e entusiasmado:
  Oh, mas é prodigioso o que acabais de dizer! E eu que nunca pensara em tal… Obrigado velho rei do freixo! Vou pôr-me a caminho e fazer tudo quanto dissestes… D. Dinis de tão entusiasmado nem quis ouvir o resto do segredo. Não ligou aquela voz que lhe dizia:
  Espera Dinis! Falta ensinar-te o resto--- senão tudo volta ao mesmo… Espera!

Mas era tarde, D. Dinis acordara! E viu-se de novo sozinho, junto ao grande freixo… O velho desaparecera por completo.
    Numa preocupação salpicada de rugas, D. Dinis olhou lentamente a árvore a cuja sombra se acolhera.
 Meu Deus, é extraordinário como o velho rei visigodo se assemelhava a este freixo… Parecia até o próprio freixo de espada à cinta!
   Desde então, el-rei D. Dinis não se cansou de contar às pessoas intimas o estranho sonho que tivera.
   E aos poucos, de boca em boca, de terra em terra, pelo País fora, foi-se espalhando o caso espantoso do velho rei do freixo de espada à cinta – até que, logicamente pela tradição do povo, esse local ficou a chamar-se para sempre FREIXO DE ESPADA À CINTA

Tudo se passou como na profecia do sonho. D. Dinis conseguiu uma paz pouco duradoira com D. Afonso IV. E isso porque D. Dinis não ouvira o resto dos conselhos do espírito encantado do Freixo de Espada à Cinta. Que não voltou a desencantar-se, porque nenhum outro rei de Portugal voltou a pendurar a sua espada no grande freixo plantado à beira do caminho.

FONTE: LENDAS DE PORTUGAL; Gentil Marques- Circulo de Leitores
Volume I- 1997



   


VIAGENS

Visita o perfil de Carminda no Pinterest.